Imagens e discursos sobre a cidade : construção e mobilização das representações urbanas em dois exemplos: Lyon e São Paulo

A primeira manifestação científica do Laboratório Jr IMAGO aconteceu na Universidade de São Paulo – USP  no dia 08 de setembro de 2015. As discussões neste encontro foram em torno das diversas maneiras pelas quais as manifestações urbanas são construídas e utilisadas pelos diferentes atores com o objetivo de manter um discurso específico (urbanísitico, político, publicitário…).

Resumos das Intervenções:

  • Discursos cinematográficos sobre São Paulo: entre o passado e o presente

Eduardo Morettin (Professor de História do Audiovisual da Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo)

A comunicação pretende abordar a forma pela qual a cidade de São Paulo foi tema do cinema brasileiro entre os anos 1910 e 1940. Em primeiro lugar, a partir de ‘Caça à Raposa’ (1913), de Antonio Campos, veremos como o lazer das elites paulistanas é encenado em um espetáculo que tem a cidade como palco. Depois, com ‘São Paulo, sinfonia de uma metrópole’ (1929), de Rodolpho Rex Lustig e Adalberto Kemeny, tradição e modernidade se conjugam nesse esforço de idealização do espaço urbano. Por fim, ‘Bandeirantes’ (1940), de Humberto Mauro, mobiliza os valores caros à certa historiografia tradicional a fim de projetar sobre o presente a experiência do passado a justificar as ações empreendidas pelo Estado Novo (1937 – 1945).


  • Memória toponímica de São Paulo: (re) construindo a cidade a partir da memória.

Patricia Carvalhinhos (Professora doutora em Lingüística, Universidade de São Paulo,  DLCV)

Analisando as semelhanças entre nomes de lugares em vários países da Europa, filólogos do final do século XIX perceberam que os topônimos são palavras especiais. Caracterizam-se pela manutenção de traços linguísticos que permitem ao linguista ponderar a evolução da língua por meio de um fóssil vivo, usando a antiga definição de Jean Brunhes (1925). Essa capacidade de guardar traços não serve, obviamente, apenas à linguística. Assim, os topônimos têm sido utilizados nas mais variadas áreas do saber para revelar dados históricos, geográficos, botânicos, ideológicos, dentre tantos outros, de um povo.

Cidades brasileiras, relativamente jovens em relação às europeias ou de outros continentes, parecem carecer dessa história. Contudo, a memória toponímica, que é a relação estabelecida por nomes de lugares com o eixo temporal revelando outros dois vértices, o homem e o espaço, pode servir para desvendar vários aspectos interessantes que auxiliam na constituição da imagem de uma cidade, seja sincrônica, seja diacronicamente. Trata-se, então, de construir a imagem atual ou passada de uma cidade por seus topônimos ou por expressões linguísticas com valor locativo, que carregam em si visões de mundo, crenças, valores e a própria cultura na descritividade ou na subjetividade das denominações. Esta apresentação pretende mostrar como tal processo se dá e algumas resultantes que evidenciam tanto a imagem de uma São Paulo colonial quanto as construções cotidianas de uma cidade a partir dos nomes e das memórias que estes evocam.


  • Os mapas como ‘operadores espaciais’ na construção da ideia de modernidade na São Paulo do início do século XX

Eliane Kuvasney (Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Geografia Humana da Universidade de São Paulo – membro do IMAGO – Image(s) de la ville)

O que se busca é de que forma o ambiente de transformações do inicio do século XX influenciou e foi influenciado pela produção cartográfica, no caso específico dos mapas que estavam sendo produzidos representando a cidade de São Paulo e seu entorno. A hipótese deste trabalho é que a forma como a cartografia refletia as mudanças começou a participar da dinâmica da cidade e que os ingredientes dessa dinâmica (as ideias de crescimento e expansão, por exemplo) passaram a ser orientados pelos mapas, ou seja, os mapas tornaram-se “operadores espaciais” (“entidades que possuem a capacidade a agir com ‘desempenho’ no espaço geográfico das sociedades interessadas” conforme LUSSAULT, 2007, p.19, trad. nossa). Constata-se, em princípio, que os mapas tornam-se operadores não humanos, artefatos “simples protagonistas” da ação dos verdadeiros operadores espaciais- humanos e, portanto, dotados de competência enunciativa. Caberá à pesquisa esclarecer até que ponto estes artefatos deixaram de ser simples protagonistas para – dotados de competência enunciativa que os hibridiza (“O mapa nos mostra”, “o mapa nos informa”) – tornarem-se quase personagens.


  • …as tais fotografias em que apareces inteira: a cidade se descobre do alto: São Paulo, 1910-1930

Ricardo Mendes (Pesquisador em história da fotografia, Arquivo Histórico de São Paulo)

A partir de recente ensaio sobre a história da aerofotogrametria aplicada à gestão urbana nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro na década de 1920 (Informativo AHSP, 2014, disponível em www.arquivohistorico.sp.gov.br), o autor delineia uma aproximação sobre a percepção dos moradores da cidade de São Paulo à presença da aviação, da figura heróica do aviador e das imagens da cidade vista do alto.


  • São Paulo: os paradoxos da imagem da cidade junto ao mercado imobiliário.

Jaime Oliva (Pesquisador, Instituto de Estudos Brasileiros, Universidade de São Paulo)

Partindo do princípio que as diversas idealidades espaciais (discursos, falas senso comum, narrativas, conhecimentos, afetos, figuras, imagens do espaço) operam nas nossas realidades espaciais e são ao mesmo tempo ingredientes dessas, apresentamos nesse simpósio uma demonstração que historicamente o discurso dominante do mercado imobiliário em São Paulo foi fortemente depreciativo da própria cidade (de suas funções interativas, de seus espaços públicos, de sua sociedade) e que como tal participou (e participa) da construção de uma cultura anti-urbana, que é um dos fundamentos mais importantes da dinâmica dessa cidade. Para tal demonstração foram utilizados e analisados diversos anúncios publicitários do mercado imobiliário contemporâneo e também alguns do início do século XX.


  • A cidade sob o olhar da coremática

Eduardo Dutenkefer (Doutorando em Geografia Humana, FFLCH, Universidade de São Paulo)

Utilizando a coremática – metodologia de análise geográfica e de modelização das organizações espaciais desenvolvida pelo geógrafo francês Roger Brunet em 1980 –  a cidade, como a metrópole de São Paulo, pode ser representada por uma modelização gráfica que revela as suas principais estruturas e dinâmicas espaciais.


  • Qual estatuto para Lyon nas Publicações Turística do Início do Século XX?

Damien Petermann (Doutorando em geografia, Universidade Jean Moulin Lyon 3, UMR 5600 EVS. Responsável pelo IMAGO – Image(s) de la ville)

No início do Século XX, vários atores lyoneses, dentre eles o sindicato de iniciativa (precursor do ofício de turismo) e também em alguma m edida os representantes eleitos, se preocupam com a imagem de Lyon e com sua atratividade turística.  Entre os sujeitos discutidos, está certamente a questão da má reputação de Lyon no exterior: uma cidade maçante, monótona, suja, escura, uma cidade nebulosa…

Um discurso de promoção turística de Lyon começa a aparecer nos anos de 1900, conduzido pela ação do sindicato de iniciativa.  Lyon é comparada a diversas cidades francesas, em particular a Paris e a Marseille.  Com relação a Paris, é o estatuto de capital que cristaliza o discurso.  Antiga capital dos Gauleses, depois primado da cristandade francesa, Lyon perdera, de longa data, tal influência na França.  Nos guias do sindicato de iniciativa,  a promoção turística da cidade se faz, em particular, pelas referências cuidadosamente escolhidas que a compara a grandes cidades e capitais europeias, como Roma e Moscou.

A comparação com Marseille é especificamente fomentada a partir de 1901, data do recenseamento que coloca Marseille à frente de Lyon em termos de população:  Lyon perde então seu estatuto de segunda cidade da França.  Esta rivalidade Lyon-Marseille se torna um tema muito comentado nas publicações lyonesas, no conselho municipal, mas igualmente em alguns jornais locais e nacionais.  A análise das publicações turísticas dos anos 1900-1930 permite destacar os argumentos desenvolvidos pelos diferentes atores para defender a primazia lyonense frente a Marseille.  Um discurso consistente pode ser encontrado nos guias POL e naqueles do sindicato de iniciativa de Lyon, assim como na sua revista Lyon-Touriste.  Nos anos 1910, uma parte deste discurso começa a aparecer nos guias Hachette, de nível nacional, antes de desaparecer das edições publicadas na década seguinte.

Se a comparação com Paris e Marseille constitui uma parte importante do discurso turístico sobre Lyon no curso deste período, é necessário ultrapassar esta rivalidade e se interessar mais precisamente pelo lugar que Lyon ocupa na paisagem turística francesa e europeia.  Parece, na verdade, existir uma espécie de paradoxo lyonense em matéria de turismo.  Lyon desfruta de uma situação geográfica privilegiada e estratégica, no coração das redes de circulação, no eixo Paris-Mediterrâneo. É uma cidade importante, classificada como centro de turismo em 1921 e que constitui há muito tempo uma esquina da Europa:  entre o Noroeste da Europa e a Itália, entre Paris e a Côte d’Azur, entre a França e a Suíça.  Entretanto, é justamente esta posição de cidade de passagem que parece desfavorecer a atratividade turística de Lyon, com relação a outras cidades francesas.  Na época do caminho de ferro Paris-Lyon-Marseille, Lyon é uma cidade onde os viajantes passam, mas não param ou, quando param, o fazem somente por muito pouco tempo.  Lyon é raramente uma destinação turística por completo.  O estudo dos guias locais, tais como aquele do S.I.L., e nacionais, como Hachette, permitem melhor compreender o lugar ocupado por Lyon nos itinerários turísticos nesta época.

 


Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *